Comentarios de lectores/as

Gastroenterologia Pediátrica E Nutrição: Intolerância à Lactose: Mitos E Realidade (4)

Alícia Fernandes (2018-09-19)


Podes-se consumir uma quantidade de leite que não cause sintomas porém que forneça o cálcio e as proteínas de que temos que. Muitas pessoas suportam bem um copo de leite todavia têm sintomas se beberem dois copos. Outros suportam bem meio copo de leite e não toleram um copo, outros aturam bem o queijo ou o iogurte. Mais tarde o Dr. Howell descobriu a diferença. Verificou que os ratos alimentados a comida cozida tinham comido as tuas próprias fezes, as quais continham as enzimasexcretadas pelo seu organismo. Todas as fezes, incluindo as dos seres humanos, contém as enzimas utilizados pelo organismo. Os ratos tinham reciclado as tuas próprias enzimas pros usarem mais uma vez. Assim viveram tanto tempo como os outros ratos a ingerir cru. Na verdade a prática de ingerir fezes é praticamente universal entre todos os animais de laboratório. Se bem que esses animais recebam dietas cientificas contendo todas as vitaminas e minerais, instintivamente sabem que precisam de enzimas. Assim, comem as suas próprias fezes.

remedio anti lactoseInchaço abdominal Se os sintomas passarem e reaparecerem uma vez que os alimentos funcionais são reintroduzidos, a intolerância à lactose é a causa mais possível. Outro teste é substituir o leite comum pelo leite sem lactose. A maioria das pessoas com intolerância à lactose poderá superar com pequenas quantidades de lactose, por exemplo um copo de leite. LACTASE INDUSTRIAL A lactase é uma enzima produzida pelo intestino no momento em que a gente é guria. Ela quebra o carboidrato lactose, que é extenso, em dois carboidratos menores: a glicose e a galactose. Esses carboidratos menores passam pelas paredes do intestino geralmente e são capazes de ser aproveitados pelas células. À quantidade que a gente envelhece, o intestino vai reduzindo a elaboração da enzima lactase e não consegue mais quebrar a molécula de lactose. O adulto se torna intolerante à lactose visto que ela fica lá inteira no intestino atrapalhando a digestão. Dá gases, dói a barriga, é desagradável. Aí a gente tem duas escolhas: ou pra de tomar leite, ou arruma lactase de outro lugar. Para colocar lactase dentro da caixa de leite, a indústria conta com uma cultura de bactérias que fabricam a enzima.

Como resultado, o corpo tem inexistência de enzimas para conservar os tecidos em boas condições. A maioria das pessoas que jejuam passam pelo que é denominado como uma decadência curativa. Os pacientes conseguem notar náuseas, vômitos e tonturas. O que se passa é que as enzimas estão a trabalhar pra alterar a estrutura doente do organismo. Contudo depois de liberação médica é possível tentar a reintrodução de alguns derivados do leite, como queijos e iogurtes, de forma gradativa para constatar a tolerância do paciente. Kátia. Conforme a nutricionista, não é possível definir uma dosagem exata de ingestão diária, porque não se podes mensurar a quantidade de lactase (enzima que digere a lactose) que o ser produz. A especialista alerta que ao oposto do que várias pessoas pensam, produtos sem lactose não têm menos cálcio. Se o intolerante a lactose optar por não ingerir lácteos sem lactose, uma dica é substituir lácteos por leites vegetais. Para finalizar, a nutricionista orienta que impedir é a melhor saída.

Portanto as primeiras fábricas a utilizar a lactase colocavam a enzima no leite refrigerado, antes do tratamento térmico. E deixavam a enzima trabalhando nos galões de leite dentro do frigorífico durante trinta horas. Só que depois, pela hora do tratamento térmico, os carboidratos pequenos e a enzima reagiam e acontecia a chamada Reação de Maillard, que carameliza o leite. E é assim que o Zymil, da Parmalat, era bege e tinha um suave amo de açúcar queimado. O Zymil está temporariamente fora do mercado, e eu desconfio que é em razão de eles optaram modernizar o recurso. Em doses receitadas por um médico ou nutricionista, eles não realizam mal nem sequer engordam. Nem ao menos todo mundo necessita deles, contudo mesmo sem aminoácidos você podes adquirir os mesmos resultados, só que eles demoram mais a aparecer. É um polímero (aglomerações de moléculas) de cadeia curta. Estudos apontam que uma bebida para desportistas efetiva deve conter entre cinco por cento a 10% de carboidratos em maneira de glicose, sacarose e maltodextrina para aumentar a condição física. Em consequência a maltodextrina não ser tão açucarado como as algumas formas de carboidratos, ela permite aperfeiçoar a ingestão de bebidas de carboidratos utilizadas por desportistas.

Se o moço não mostra sinal ou sintoma, não é recomendado suprimir um alimento da alimentação. A retirada de um grupo de alimento da dieta sem orientação profissional poderá causar desequilíbrio na particularidade nutricional do leite. Além do mais, pode potencializar o aparecimento de alergias alimentares. Muitas mães acreditam que ao retirar da dieta alimentos potencialmente alergênicos como, leite de vaca, trigo, amendoim, soja, ovo e milho, previnem o aparecimento de alergias alimentares no menino. Estudos sobressaem que o efeito podes ser oposto e em alguns casos predispor a garota a alergias no futuro. Aluna do ensino médio pela cidade paranaense de Londrina (Paraná). A cápsula construída por Maria Vitória tem a enzima lactase, causador da "quebra" da lactose. As cápsulas devem ser colocadas em uma tigela com leite e, de quatro a 5 horas depois, o leite está respectivo para o consumo de quem tem intolerância à lactose. O interessado é que diferentes partes do mundo sobressaem superior ou menor tolerância ao açúcar do leite. Pessoas de países do leste asiático, oeste africano, Grécia e Itália são especialmente intolerantes à lactose, durante o tempo que noventa e cinco por cento das pessoas do norte da Europa são tolerantes ao açúcar. "Em ao menos 5 casos diferentes, populações melhoraram o gene responsável por digerir o açúcar pra que ele mantenha ativo pela fase adulta", diz Hawks.



.......................................................................................................................................................................................................

Contacto

Teléfono: (+598) 2359 5478
Fax: (+598) 2354 2052
Correo-e:agrocien@fagro.edu.uy
http://www.fagro.edu.uy/agrociencia/