Comentarios de lectores/as

Enzima LACTASE Nesta hora Disponível No Brasil

Alícia Fernandes (2018-09-16)

En respuesta a Intolerância à Lactose Ou Alergia à Proteína Do Leite?

capsulas de lactaseA carência de leite pela dieta podes transportar à deficiência de cálcio, vitamina D, riboflavina e também de proteína. Coma alimentos funcionais que tenham mais cálcio (folhas verdes, ostras, sardinhas, salmão enlatado, camarão e brócolis). Intolerância à lactose bem como poderá acarretar um quadro de desnutrição e perda de peso. Não há uma forma conhecida de se prevenir a intolerância à lactose. Impossibilitar ou restringir a quantidade de produtos lácteos em sua dieta podes diminuir ou prevenir os sintomas da intolerância à lactose. Em atividade disso, a melhor escolha é utilizar produtos com pequeno teor de lactose. Hoje, existem no mercado leites com teores reduzidos desse açúcar sem prejuízo pro sabor ou para o valor nutritivo. São encontrados em farmácias ou supermercados como o LEVÍSSIMO, da CCPL e o ZYMIL, da Parmalat. Vários pacientes os utilizam sem qualquer efeito adverso.

Essa incapacidade resulta da falta de quantidade suficiente de uma enzima (lactase) no interior das dobras do intestino. Nas pessoas alérgicas, a lactose continua dentro do intestino e chega ao intestino grosso, onde é fermentada por bactérias, produzindo ácido lático e gases. Os sintomas de quem sofre com intolerância à lactose são dores abdominais, diarréia e até vômitos. Uma vez diagnosticada a alergia a lactose, o alimento deve ser eliminado da alimentação. Qualquer um precisará compreender com a experiência. Não esquecer que a maioria dos bolos, qualquer pão e outros produtos contêm lactose. A lactase existe vendida em líquido ou comprimidos. Várias gotas de lactase acrescentadas a um copo de leite, eliminam em vinte e quatro horas, a lactose do leite em 70 por cento. Os iogurtes e o queijo são geralmente bem tolerados. No mercado existe leite quase sem lactose, como os citados acima. Intolerância à lactose poderá surgir em qualquer idade. Ao longo da amamentação, a atividade da lactase no intestino é alta, entretanto declina naturalmente depois do desmame. "Quando ocorre a falta dessa enzima, a lactose, que é uma boa fonte de energia pros micro-organismos do cólon, é fermentada com ácido láctico, metano e gás hidrogênio. O gás produzido cria uma sensação de incômodo por distensão intestinal e flatulên¬cia. O ácido láctico produzido pelos microorganismos puxa água pro intestino, como essa de a lactose não digerida, tornando em diarreia. Pessoas com esses distúrbios são consideradas intolerantes à lactose", explica a nutricionista Kimielle Cristina Silva Consultora Técnica da Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde (CGAN/DAB/SAS/MS). De acordo com a nutricionista, há três tipos de intolerância a lactose: a congênita é a mais rara, onde o pirralho imediatamente nasce com deficiência pela lactase, tendo diarreia no momento em que amamentado ou ao ingerir produtos a apoio de lactose.

O leite e derivadossão frequentemente adicionados a alimentos processados - alimentos que foram alterados para prolongar seu período de validade. Observar os ingredientes nos rótulos dos alimentos é proveitoso para encontrar possíveis fontes de lactose em produtos alimentares. Se alguma dessas frases estão listadas no rótulo, o produto contém lactose: lactose, leite coalhada, soro de leite, leite em pó seco, sub-produtos de leite desnatado. A lactose assim como é utilizada em alguns medicamentos, incluindo pilulas anticoncepcionais, remédios de uso liberal com aueles para tratar a acidez e gás do estômago. Esses remédios a maioria das vezes causam sintomas em pessoas com intolerância acentuada à lactose.

Acontece o procedimento de quimificação, no qual a mistura do suco gástrico com o bolo alimentar forma o quimo, uma pasta ácida. O estômago possui um muco que protege a parede estomacal da ação corrosiva do suco gástrico. O rompimento desta camada protetora pode gerar gastrite e úlcera. Os recém-nascidos possuem uma enzima, renina, cuja atividade é a de coagular o leite e, consequentemente, mantê-lo por mais tempo no estômago, favorecendo a atuação da pepsina. Adultos liberam quantidade insignificante de renina. A digestão é o método de transformação de macromoléculas (moléculas grandes) em micromoléculas (pequenas) por intermédio de hidólise (quebra) enzimática, resultando possível a absorção de nutrientes na célula. O tubo digestivo é composto por boca, faringe, esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso, reto e ânus. O intestino delgado se divide em duodeno, jejuno e íleo.

Na indústria láctea a lactose provém energia para bactérias acido láticas (a qual denominamos de fermento lático ou cultivo lático). O papel destas bactérias está intimamente referente com a indispensabilidade de produção de ácido lático que por conseguinte atua de numerosas maneiras no sucesso de um item lático. Tais como, na fabricação de queijos existe a inevitabilidade de abaixamento do pH, forçando a desmineralização do leite até que o mesmo coagule (ou seja uma metodologia pra coagulação de leite pra fabricação de queijos que veremos mais adiante). Na realidade, a lactose não é retirada do leite. O pesquisador do Instituto de Laticínios Cândido Tostes (ILCT) Luiz Carlos Gonçalves Costa Júnior revela que um procedimento químico transforma a lactose em outra coisa. A indústria acrescenta à bebida uma enzima denominada lactase (ou beta-D-galactosidase), que, em 3 ou quatro horas, quebra a lactose por intermédio da ação da solução em 2 componentes: glicose e galactose. O pesquisador destaca que a lactose é um açúcar típico e mais abundante do leite, substância que provoca intolerância em novas pessoas. "As pessoas que têm intolerância à lactose possuem baixa ou nenhuma geração dessa enzima em seus organismos, impedindo desse jeito essa quebra da lactose após a ingestão de produtos lácteos.



.......................................................................................................................................................................................................

Contacto

Teléfono: (+598) 2359 5478
Fax: (+598) 2354 2052
Correo-e:agrocien@fagro.edu.uy
http://www.fagro.edu.uy/agrociencia/