Comentarios de lectores/as

Viver Sem Alergia é Possível E Muda Inteiramente A Qualidade De Vida

Pedro Benício Martins (2018-09-15)


alimentos funcionais24 de setembro de 2010 às 15:Treze Lactose é o açúcar do leite. Ele é digerido na lactase, enzima que novas pessoas não produzem. Pra maioria dos intolerantes à lactose (pessoas que têm deficiência ou inexistência de lactase, a enzima que digere o açúcar do leite), o consumo de laticínios provoca gases, aflição de barriga, inchaço abdominal, diarreia ou prisão de ventre. Coliprev consiste num suplemento enzimático de lactase destinado a lactentes desde o nascimento. Podes ser usado tanto nas fórmulas, como nos casos de aleitamento materno. Coliprev necessita ser usado sempre que alimentar o teu bebé ao longo dos primeiros 3-quatro meses de idade, altura em que começa a ser produzida a enzima lactase em quantidade bastante pra actuar sobre a lactose. Após esse tempo, o Coliprev deve ser retirado gradualmente. Até 2019, todos os produtos necessitam indicar se possuem zero lactose, miúdo teor ou contêm o componente, o que facilita pela hora de saber o que obter ou não. "Descobri assim como que a própria enzima que o organismo não produz, a lactase, é vendida em cápsula", conta Julia. Ela explica que, depois de tomar a enzima, podes ingerir produtos lácteos sem que isso lhe cause problemas.

Para arrematar, é referência inigualável de cálcio, indispensável pra criação do esqueleto e pra evitar que mais tarde a osteoporose acabe com ele. Os vegetais, principalmente as verduras de folhas escuras, como o brócolis, são capazes de fornecer 250 miligramas de cálcio diárias para quem faça exercício bem-intencionado deles. Contudo, essa quantidade é insuficiente pras exigências do corpo humano: um grama por dia. Como um copo de leite, iogurte ou uma fatia de queijo contém de 250 a trezentos miligramas, com os laticínios fica menos difícil atender aos reclamos da fisiologia. Por outro lado, certas filosofias dietéticas avessas às demandas da metodologia científica contra-apontam a ingestão de leite e derivados, com o argumento de que nenhum outro mamífero o faz pela existência adulta. A tarefa vem sendo levada adiante através de programas de computador que "escaneiam" ambos os genomas à busca dos trechos em que as bases A,G, C e T estejam ordenadas de forma diversa. A conclusão é que as diferenças se localizam confinadas em trechos de DNA formados por apenas 15 milhões de bases. Nesses estudos começam a emergir alguns genes, reunidos em uma revisão escrita por Katherine Pollard, da Escola da Califórnia, na revista "Scientific American". O primeiro deles foi HAR1, gene ágil em alguns neurônios cerebrais.

MITO - Produtos sem lactose são frutos do processo bioquímico da hidrólise da lactose, ou seja, a lactose é "quebrada" através de uma reação enzimática da lactase. Produtos sem lactose são pobres em cálcio. MITO - O teor de cálcio não depende do teor de lactose no item. A retirada da lactose da alimentação socorro no emagrecimento. MITO - Toda dieta com o propósito de perda de calorias precisa ser orientada por um nutricionista. De forma geral, para adquirir a perda de calorias, o sujeito necessita ingerir menos calorias do que gasta; a retirada da lactose não obrigatoriamente diminuirá a ingestão calórica nem aumentará o gasto energético de uma pessoa. Caravela, uma vaca mineira, permitiu que Túlio Madureira, 30, um produtor de queijo artesanal que, por uma alergia, não que e lactase podia tomar leite, recuperasse um pouco do gosto na vida. A vaca produz um leite contrário, que não faz tão mal pro sistema gastrointestinal. Pensando em quem tem dificuldades como o de Madureria, uma busca tenta fazer mais Caravelas pelo país. Madureira não está sozinho. Os defeitos relacionados ao consumo de leite são comuns.

Há diferentes marcas no mercado, e a quantia da enzima nas cápsulas varia entre elas. Desta maneira, pra saber quanto tomar de cada vez, é preciso levar em conta essa informação, bem como o tal de lactose que você comerá e a sua perícia de digestão. A lactase exógena assim como pode vir em sachês. Ela apresenta autonomia e agilidade para a pessoa pela hora de solucionar se aceita ou não um pedaço de bolo de aniversário ou aquela torta no carrinho de sobremesa do restaurante. Carregados nas bolsas e nos bolsos, os pacotinhos trazem, em geral, lactase suficiente para quebrar até 50 gramas de lactose — mais ou menos 1 litro de leite. O tema é despejado sobre o alimento, que, deste modo, pode ser ingerido neste instante com a enzima. Dá para jogar até em pizza e sorvete.

Este quadro clínico — chamado intolerância à lactose — é o responsável por alguns ou todos os sintomas apresentados acima. A lactase é produzida em extenso quantidade ao longo dos primeiros dois anos de vida, havendo depois um declínio permanente em sua produção. Desse modo, muitos conseguem com o tempo fazer este quadro clínico, entretanto sem entrar a percebê-lo.

A4 - B5 - C1 - D2 - E3. A4 - B3 - C1 - D2 - E5. A5 - B4 - C2 - D3 - E1. A3 - B5 - C2 - D1 - E4. 09. (UNEAL) A espécie humana, como outros vertebrados, retém várias glândulas endócrinas, algumas delas responsáveis pela produção de mais de um tipo de hormônio. Os indivíduos que não produzem a enzima lactase, depois da suspensão da lactação, são intolerantes à lactose e apresentam sintomas, principalmente intestinais, quando ingerem leite ou outros produtos que contenham lactose. O teste genetico para tolerância à lactose retrata uma alta correlação com as provas funcionais. Quer dizer, os portadores do genótipo CC, genótipo filiado a não insistência pela elaboração de lactase, tendem a exibir provas funcionais alteradas. Ao fazer uma revisão sistemática dos estudos disponíveis que compararam o teste genetico com uma prova functional , chegou-se a conclusão que o teste genetico tem 79 por cento de sensibilidade e 83 por cento de especificidade. O novo teste poderá predizer com alta perspectiva se um cidadão é tolerante à lactose ou não.



.......................................................................................................................................................................................................

Contacto

Teléfono: (+598) 2359 5478
Fax: (+598) 2354 2052
Correo-e:agrocien@fagro.edu.uy
http://www.fagro.edu.uy/agrociencia/