Comentarios de lectores/as

Intolerância à Lactose E Alergia Ao Leite: Existe Diferença?

Alícia Fernandes (2018-09-13)


(UFLA/2003) A suposição sintética da prosperidade se fundamenta fundamentalmente em 3 processos O primeiro tipo é extremamente especial e acomete crianças logo depois do nascimento. O segundo tipo envolve diarreia persistente e é extremamente comum em crianças no primeiro ano de vida. O terceiro tipo é o mais contínuo, aparece gradualmente a partir dos 2 anos de idade e acomete diferentes grupos populacionais.

alimentos funcionaisÉ um caminho acessível com finalidade de quem não abre mão de prosseguir consumindo as mesmas coisas, sem passar mal. Hoje a quantidade de produtos que tem a enzima é grande: leites, iogurtes, coalhadas, queijos. Dá pra se virar bem com eles. Eu já falei sobre o assunto nessa postagem, mas muita gente ainda fica em indecisão quanto à ter leite, não ter leite, tem lactose, não tem. Primeiro: Whey Protein sem lactose: Isolado ou Hidrolisado. Qual você precisa tomar, o seu nutricionista é quem precisa te nortear. Bebem Kefir em vez de água e comem Kefir desde a infância.. Entre eles, pessoas com 110 a 150 anos de idade não são uma raridade. Não conhecem tuberculose nem sequer câncer e não sofrem de problemas digestivos.. Seu nome varia de acordo com o ambiente; na América Latina se chama Tibicos (no México essa bebida e algumas fermentadas são bastante utilizadas); pela Europa, chamam cristais japoneses; na Ásia e África, Kefir. São capazes de ser colocados no leite, onde fermentam a lactose ou de PREFEERÊNCIA, na água com açúcar, onde fermentam a glicose. O médico pode fazer uma observação do sangue, um teste de bafômetro ou um diagnóstico de fezes para detectar se os defeitos são devidos a esta intolerância. Nos rótulos dos alimentos, procure pelas frases: leite, soro de leite, requeijão, laticínios, leite desidratado, sólidos de leite e leite em pó. Se cada um destes ingredientes estiver relatado na embalagem, o artefato contém lactose. A intolerância à lactose se apresenta quando o intestino delgado não produz enzima lactase o bastante. O corpo dos bebês fabrica esta enzima para que eles possam digerir o leite materno.

Seja uma intolerância passageira, definitiva ou uma alergia, o fato é que quem tem esses problemas precisará, invariavelmente, modificar seu cardápio. Não existe cura nem remédio pra doença celíaca e a única forma de conviver com ela é riscando em definitivo do cardápio alimentos que contenham glúten. No caso da intolerância à lactose, a retirada ou redução do leite e derivados do cardápio vai necessitar de cada caso. No Brasil, a lactase é encontrada só nas farmácias de manipulação, porque, de acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a enzima lactase é um remédio de origem biológica. Em outros países, entretanto, a enzima é considerada alimento e tem venda liberada em farmácias e supermercados. Segundo a agência reguladora, ainda não há, no país, interesse das organizações em montar o objeto para vendas nas farmácias. Outra escolha pra não atravessar mal ao ingerir derivados de leite são os probióticos, "as bactérias do bem", que no momento em que tomadas continuamente podem aperfeiçoar a digestão da lactose. Estes recursos são especialmente respeitáveis pra mulheres que neste momento passaram pelo período da menopausa e precisam ingerir derivados do leite pra absorverem cálcio.

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) divulgou hoje (9) duas resoluções com as recentes regras pra rotulagem de produtos com lactose. Na primeira, são instituídas como os detalhes de lactose necessitam ser colocadas no rótulo, independentemente do tipo de alimento. A segunda resolução adiciona os alimentos para dietas com restrição de remedio intolerancia lactose no regulamento de alimentos pra fins especiais. Nas estantes dos supermercados, não são raros os produtos com adesivos que apontam estarem livres de glúten e de lactose em suas composições. Isto porque, além de algumas pessoas terem complexidade de digeri-los ou correm o risco de morrer caso realizem a ingestão desses componentes, há alguns anos é ficou tendência cortar esses componentes em dietas restritivas para redução de gordura. No entanto no fim de contas, o que é verdade e o que é mito sobre isto intolerância à lactose ao glúten? Para esclarecer questões sobre o assunto, a repórter de lindeza e bem-estar de CLAUDIA Fernanda Morelli conversou com as nutricionistas Vanderli Marchiori e Beatriz Botéquio, na última sexta-feira (30), durante live mostrado pela página da revista no Facebook. Nos dias de hoje a intolerância ao glúten recebe duas classificações pelos especialistas: doença celíaca e sensibilidade não celíaca. "O glúten não é um açúcar, dessa forma não ocorre intolerância.

O termo "alergia ao leite" se popularizou e, atualmente, é muito utilizado para contar possíveis causas de intolerância, provenientes de reações alérgicas ou não. "A alergia ao leite é outra coisa", ensina Tatiane. "Neste caso, a dificuldade está referente a uma proteína do leite chamada caseína. Por qualquer pretexto, o corpo humano reconhece a caseína como um organismo diferente que irá causar estragos e reage contra ela, causando erupções na pele, manchas vermelhas, dificuldades respiratórios e, algumas vezes, diarreia". E assim como que após meia hora, a enzima é absorvida pelo corpo, então é respeitável tomar mais um se continuar ingerindo a lactose. Aqui no Brasil, existem opções como o Lacday e o Lactosil. Eu acabo preferindo o Lactaid porque acho mais prático, porém claro que quando acabam os meus comprimidos, recorro as opções nacionais! Tem muita gente que não sabe disso, contudo queijos e leite de ovelha e cabra não contém lactose. Deste modo eu sempre dou preferência ao queijo de cabra, ou o chèvre, queijo pecorino, e também o feta. O Iogurte de ovelha é mais pesado, contudo oferece para acostumar. Os produtos "sem lactose" do mercado, geralmente são nada mais do que produtos derivados do leite, que também possui em sua composição a enzima lactase. Isto é, é como se você estivesse tomando um desses remédios que falei acima.



.......................................................................................................................................................................................................

Contacto

Teléfono: (+598) 2359 5478
Fax: (+598) 2354 2052
Correo-e:agrocien@fagro.edu.uy
http://www.fagro.edu.uy/agrociencia/