Comentarios de lectores/as

Devido à Prevalência Desta Situação Na População Mundial

Pedro Benício Martins (2018-08-07)


como comprar lactaseSegundo estudos científicos recolhidos no decorrer de mais de quarenta anos pelo Dr. Howell, "o homem é o que menos enzimas da digestão dos amidos tem no seu sangue, entre todas as criaturas. Bem como temos o superior índice destas enzimas na urina o que prova que estão a ser utilizados rapidamente". O tempo de incubação poderá durar até 2 ou três dias. Também, alguns pacientes são capazes de apresentar sinais leves, como fadiga crônica, depressão, tonturas, dores de cabeça, dores nos participantes, ou contrariedade de concentração. O diagnóstico de intolerância à lactose é feito com apoio nos sintomas depois da ingestão de leite ou seus derivados. Esse processo de digestão é finalizado pelas enzimas digestivas proteolíticas e na Lipase. Lactase: Ela auxilia na digestão da lactose e da galactose. Maltase: Ela favorece na digestão da maltose. Esse suplemento é bastante utilizado por praticantes de treinos intensos e que consomem suplementos alimentares pra fornecimento de energia extra pra preservar o condicionamento físico.

Muco nas fezes Estes exames podem ser solicitados pelo clínico geral ou alergologista em caso de suspeita de intolerância à lactose ou quando o teste da eliminação alimentar deixa algumas dúvidas. É bastante significativo diagnosticar e tratar a intolerância à lactose, pelo motivo de esta é uma situação que provoca sintomas desagradáveis e influencia a absorção de nutrientes primordiais para o corpo. Outras glândulas que revestem o intestino segregam as enzimas sacarase (transforma sucrose em glicose e frutose), maltase, lactase (transforma lactose em glicose e galactose), lipase, amilase e erepsina que em divisão formam o suco intestinal. A falta ou baixa atividade da lactase podes causar numerosos graus de intolerância ao leite. Como os nutrientes são absorvidos ? Pela membrana mucosa do intestino delgado ficam algumas reentrâncias e dobras chamadas villi que aumentam a superfície de absorção em mais de 600 vezes o que seria se o intestino fosse um acessível cilindro.

A Lactase é uma enzima responsável pela hidrólise da lactose. A molécula da lactose é demasiado complexa para atravessar a parede do intestino; tem que sofrer a ação da enzima Lactase, para ser decomposta em glicose e galactose. Na deficiência da Lactase, a lactose não digerida passa ao intestino grosso, originando diarréia fermentativa e outros transtornos digestivos. A deficiência de Lactase acontece com maior freqüência pela raça negra, e, em menor escala, na raça branca. O suco entérico, produzido na parede do intestino delgado libera maltase, lactase, sacarase e peptidase, enzimas que quebram maltose, lactose, sacarose e peptídio, respectivamente. A bile, produzida no fígado é enviada a vesícular biliar (órgão anexo), onde fica armazenada para posterior utilização. Não é uma enzima (então tua ação é considerada um modo físico) e tem a função de emulsificar gorduras, ou melhor, diminuir a tensão superficial do lipídio (gordura) de forma a fragmentá-lo, facilitando, deste jeito, a ação das lipases. Ainda no intestino delgado, ocorre a quilificação, decorrente da mistura do quimo com os sucos pancreático e entérico e a bile.

O alimento passa a se chamar quilo. Nessa fase o alimento (quilo) agora se localiza em pequenas moléculas e acontece a absorção dos nutrientes pelos capilares sanguíneos presente no intestino delgado, conduzindo-os para o restante do organismo. O resto alimentar, ou seja, aquilo que não foi absorvido se encaminha para o cólon ascendente (intestino grosso), cólon transverso e cólon descendente, onde chega ao reto e, logo em seguida, ao ânus. Este artigo te ajudou? Deste jeito ajude o Portal do Estudante no TOP30. Clique neste local pra votar! Lá, enzimas produzidas no Pâncreas, Fígado e no respectivo Intestino, terminam o método enzimático e os nutrientes são preparados para serem absorvidos pelo organismo e nutrirem as células do corpo. As PROTEÍNAS são digeridas até a geração de PEPTÍDIOS pela TRIPISINA e QUIMIOTRIPSINA. Os POLISSACARÍDEOS, por exemplo o AMIDO, são degradados até a MALTOSE pela AMILOPEPSINA. Os ACIDOS NUCLÊICOS, por exemplo o RNA e o DNA, são digeridos em RIBONUCLEOTÍDEOS na RNASE e DNASE. O suco intestinal ou entérico tem enzimas que digerem 2 tipos básicos de nutrientes: os carboidratos e as proteínas. A CARBOXIPEPTIDASE e AMINOPEPTIDASE transformam PEPTÍDIOS em AMINOÁCIDOS, assim como a DIPEPTIDASE corta DIPEPTÍDIOS em AMINOÁCIDOS. A MALTASE, SACARASE e LACTASE transformam respectivamente: MALTOSE, SACAROSE e LACTOSE em GLICOSE.

Seja uma intolerância passageira, definitiva ou uma alergia, o fato é que quem tem estes dificuldades terá que, invariavelmente, modificar seu cardápio. Não existe cura nem medicamento pra doença celíaca e a única forma de conviver com ela é riscando em definitivo do cardápio alimentos que contenham glúten. No caso da intolerância à lactose, a retirada ou redução do leite e derivados do cardápio vai depender de cada caso. No Brasil, a lactase é encontrada apenas nas farmácias de manipulação, dado que, segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a enzima lactase é um medicamento de origem biológica. Em outros países, porém, a enzima é considerada alimento e tem venda liberada em farmácias e supermercados. Segundo a agência reguladora, ainda não há, no nação, interesse das empresas em elaborar o item pra vendas nas farmácias. Outra alternativa para não ir mal ao ingerir derivados de leite são os probióticos, "as bactérias do bem", que quando tomadas continuamente podem aperfeiçoar a digestão da lactose. Esses recursos são essencialmente interessantes pra mulheres que já passaram pelo período da menopausa e precisam comer derivados do leite pra absorverem cálcio.



.......................................................................................................................................................................................................

Contacto

Teléfono: (+598) 2359 5478
Fax: (+598) 2354 2052
Correo-e:agrocien@fagro.edu.uy
http://www.fagro.edu.uy/agrociencia/