Comentarios de lectores/as

Mal-estar Num Copo De Leite

Alícia Fernandes (2018-08-06)


O corpo é capaz de se readaptar à falta da enzima lactase, e, se for "acostumado" de forma gradual, o paciente poderá atingir regressar a ingerir leite sem ter sintomas graves. Prontamente existem no mercado medicamentos pra repor a lactase. O paciente poderá tomar a lactase (em pó, pílulas ou líquido) logo antes da refeição, permitindo uma melhor digestão dos laticínios.

lactasePrevenção contra pele áspera: promove a renovação das células da pele. Precaução do envelhecimento: impossibilita a geração de radicais livres, que causam o envelhecimento. Prevenção dos sintomas de senilidade: renova as células responsáveis pelas funções cerebrais. Alívio de sintomas do cansaço: previne o acúmulo das substâncias que o causam. Acrescento da imunidade: ativa as células relacionadas à imunidade. Prevenção da obesidade: digere e absorve as substâncias responsáveis pela obesidade. A lactase é uma proteína com atividade enzimática que é produzida pela mucosa intestinal, pela zona raso das microvilosidades do intestino delgado. A localização superficial da lactase torna-a vulnerável a qualquer agressão à mucosa intestinal, podendo deixar de ser produzida temporariamente até à recuperação da mucosa ou permanentemente se a lesão for irreversível.

Teste respiratório de hidrogénio - esse teste analisa a quantidade de hidrogênio que é soprada. No momento em que a lactose é fermentada por bactérias no intestino, em vez de ser convertido pela lactase, mais hidrogénio é produzido. Dieta de eliminação - esta envolve a remoção de alimentos que contenham lactose para observar se os sintomas melhoram. É possível comer alimentos de fontes vegetal como agrião e rúcula; leguminosas como feijão, ervilha e lentilha; grãos integrais como arroz; e alimentos enriquecidos como pão e leite. É possível que haja inevitabilidade de remédio, dependendo da gravidade da deficiência. Além do mais, Camila explica que não é indicado consumir ferro e cálcio na mesma refeição, por causa de no instante da absorção dos nutrientes pelas células, eles utilizam o mesmo canal e o cálcio acaba sendo melhor absorvido.

Como as enzimas atuam no duodeno e no intestino delgado ? O quimo recebido do estômago é misturado ao suco pancreático e intestinal (com enzimas proteolíticas) e à bílis, que são lançados no duodeno por meio de canais. O suco pancreático retém diversas enzimas, entre as quais a tripsina (transforma proteínas em amino-ácidos), a amilase (transforma amido e dextrina em maltose), a maltase (transforma maltose em glicose) e a lipase pancreática (transforma gordura em ácidos graxos e glicerina).

Uma equipe internacional de cientistas descobriu que algumas populações da África Oriental construíram, em tempos relativamente novas, a mutação genética que permite a adultos digerir a lactose, o principal açúcar do leite. O estudo, encabeçado por Sarah Tishkoff, da Faculdade de Maryland, mostra que a mutação ocorreu de forma independente da que deu aos europeus a mesma técnica, e surgiu no momento em que alguns africanos passaram a montar gado. A descoberta não mostra apenas que cultura e genética evoluem juntas, diz Tishkoff, porém també, é "uma das marcas genéticas mais impressionantes de seleção natural de imediato observadas em humanos".

É a ação do suco pancreático( produzido por células do pâncreas), do suco entérico ou intestinal ( produzido por células do intestino) e da bile ( produzida por células do fígado) sobre o assunto os alimentos. O suco pancreático detém 3 enzimas: Amilase, Tripsina e Lipase pancreática. Ação: É semelhante à Ptialina. Transforma o aminoácido em Maltose e Glicose. Função: Referência de armazenamento de energia em nosso corpo humano. Ingerindo estes comprimidos ou umas poucas gotas da enzima líquida no momento em que consumirem leite ou derivados podem tornar estes alimentos mais toleráveis para pessoas com intolerância à lactose. Pais e cuidadores de uma guria com intolerância à lactose necessitam escoltar o plano nutricional recomendado pelo médico ou nutricionista da guria. O leite e derivados são a superior referência de cálcio e outros nutrientes. O cálcio é importante pro avanço e reparo de ossos em todas as idades. A escassez de ingesta de cálcio em crianças e adultos poderá conduzir a ossos frágeis que podem sofrer fratura mais tarde pela vida, uma ocorrência chamada de osteoporose. A quantidade de cálcio pra uma pessoa preservar-se saudável vária conforme a idade. Fonte: Adaptado de Dietary Reference Intakes, 2004, Institute of Medicine, National Academy of Sciences.

Bianca destaca que os alimentos com lactose são relevantes e necessários para uma alimentação balanceada e equilibrada, apesar de serem tratados como vilões. Contrário da alergia à proteína do leite, a intolerância à lactose é uma deficiência do corpo humano na geração da enzima lactase (causador da digestão da lactose). Já a alergia é uma reação do sistema imunológico a acordados alimentos, sendo que o leite pode ser um deles. Segundo dicas da Viva Lácteos - Liga Brasileira de Laticínios, em casos de intolerância, o consumo de leite e derivados é possível, de acordo com o grau de defeito. Antonio Herbert Lancha Junior destaca que tornou-se bastante comum reduzir a lactose da dieta, sem um julgamento apropriado. Interpretação Clínica:A intolerância à lactose é a circunstância pela qual ocorrem sinais e sintomas decorrentes da má absorção deste carboidrato. Corresponde a incapacidade do corpo em digerir a lactose graças a uma deficiência ou inexistência da enzima intestinal chamada lactase. A lactose não digerida é fermentada por bactérias intestinais,o que leva a geração de ácido láctico e gases (gás carbônico e o hidrogênio, que é usado nos testes de determinação de intolerância à lactose).



.......................................................................................................................................................................................................

Contacto

Teléfono: (+598) 2359 5478
Fax: (+598) 2354 2052
Correo-e:agrocien@fagro.edu.uy
http://www.fagro.edu.uy/agrociencia/