Comentarios de lectores/as

Lactaid, Meu Santo Amigo!

Alícia Fernandes (2018-08-04)


alimentos funcionaisCaso teu médico decida diminuir os derivados de leite da alimentação da menina, é preciso ficar de olho para ver se ela está recebendo todos os nutrientes de que deve. O cálcio, tendo como exemplo, pode ser obtido em verduras e em produtos industrializados enriquecidos com a substância, como cereais. Outros nutrientes geralmente fornecidos pelo leite são as vitaminas A e D, a riboflavina e o fósforo. Podes ser primordial consultar um nutricionista pra ajustar a alimentação. Você de imediato tem que ter percebido que o nome da maioria das enzimas termina com o sufixo "ase". Em geral, o nome de uma enzima é dado acrescentando este sufixo ao nome do substrato com o qual reagem. Tendo como exemplo: a amilase, que age a respeito do amido e a lactase que atua sobre a lactose.

Bem como, as enzimas conseguem ser encontradas nos alimentos. As células possuem de dois mil a 3000 enzimas diferentes em cada uma. Células diferentes possuem enzimas diferentes. Como as enzimas atuam na boca ? Quando o alimento é mastigado na boca, ele fica reduzido à pequenos fragmentos que se misturam com a saliva produzida pelos três pares de glândulas salivares (parótidas, submandibulares e sublinguais). A saliva é um líquido neutro ou ligeiramente alcalino, que contém água, muco e enzimas (amilase salivar ou ptialina). O nutricionista comemora a iniciativa. ] acertou além da medida. É preciso regulamentar o mercado com o ‘boom’ que isso tornou-se no Brasil. Diversos produtos anunciados como 'sem lactose', têm, na verdade, a substância neste momento 'digerida'. Isto acontece com os leites de vaca 'sem lactose' comercializados no mercado. A adição da lactase no objeto neste instante é suficiente pra definir o defeito de muitos intolerantes. Porém, várias pessoas com intolerância mais rigorosa apresentam reações mesmo a estes produtos. Teste de hidrogênio pela respiração: analisa o nível de hidrogênio que é expelido pela expiração após o paciente comer uma dose alta de lactose. Teste de acidez nas fezes: é analisada se a lactose expelida nas fezes foi fragmentada pelo organismo e se há presença de ácido lático - sintoma da intolerância a lactose.

A terceira categoria de carboidratos, são aqueles constituídos por mais de 20 monossacarídeos com imensas aplicações e propriedades, os polissacarídeos, que contêm centenas de moléculas de monossacarídeos interligados entre si. É classificada como um dissacarídeo, carboidrato formado por uma molécula de glicose e outra de galactose, sintetizada pela glândula mamária e oferece um sabor levemente adocicado ao leite. Biologicamente tua funcionalidade consiste basicamente em prover energia a começar por "sua quebra" que acontece no intestino delgado, liberando uma molécula de glicose e outra de galactose (será modificada pra glicose pelo fígado). O processo de digestão consiste basicamente na "quebra" do alimento e suas inúmeras moléculas em moléculas de menor tamanho as quais serão absorvidas pelo corpo.

O Que é a Suplementação de Lactase? No momento em que a lactase não é produzida numa quantidade suficiente para poder compor a necessidades do corpo, por isso levando ao quadro de intolerância à lactose, é possível fazer a suplementação dessa enzima lactase. A lactase pode ser encontrada em forma de comprimidos, pastilhas mastigáveis, em pó e também cápsulas, muito fáceis de serem ingeridas. Para ser absorvida, a lactose precisa de ser hidrolizada no intestino por uma enzima específica - a lactase. Esta hidrólise não é mais do que a separação da lactase em componentes mais menores: a glicose e a galactose. Estes são absorvidos diretamente pra corrente sanguínea e desempenham papéis distintos no corpo: a glicose é utilizada como fonte de energia e a galactose torna-se um componente de glicolípidos e glicoproteínas.

Essa incapacidade resulta da inexistência de quantidade suficiente de uma enzima (lactase) no interior das dobras do intestino. Nas pessoas alérgicas, a lactose continua dentro do intestino e chega ao intestino grosso, onde é fermentada por bactérias, produzindo ácido lático e gases. Os sintomas de quem sofre com intolerância à lactose são dores abdominais, diarréia e até vômitos. Uma vez diagnosticada a alergia a lactose, o alimento tem que ser eliminado da alimentação. Qualquer um precisará compreender com a experiência. Não esquecer que a maioria dos bolos, algum pão e outros produtos contêm lactose. A lactase existe vendida em líquido ou comprimidos. Novas gotas de lactase acrescentadas a um copo de leite, reduzem em vinte e quatro horas, a lactose do leite em 70 por cento. Os iogurtes e o queijo são normalmente bem tolerados. No mercado existe leite quase sem lactose, como os citados acima. Intolerância à lactose podes aparecer em qualquer idade. Ao longo da amamentação, a atividade da lactase no intestino é alta, no entanto declina naturalmente depois do desmame. "Quando acontece a inexistência desta enzima, a lactose, que é uma bacana referência de energia para os micro-organismos do cólon, é fermentada com ácido láctico, metano e gás hidrogênio. O gás produzido cria uma sensação de incômodo por distensão intestinal e flatulên¬cia. O ácido láctico produzido pelos microorganismos puxa água pro intestino, como este a lactose não digerida, convertendo em diarreia. Pessoas com esses distúrbios são consideradas intolerantes à lactose", explica a nutricionista Kimielle Cristina Silva Consultora Técnica da Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde (CGAN/DAB/SAS/MS). Segundo a nutricionista, há três tipos de intolerância a lactose: a congênita é a mais rara, onde o guri neste momento nasce com deficiência na lactase, tendo diarreia quando amamentado ou ao ingerir alimentos a base de lactose.



.......................................................................................................................................................................................................

Contacto

Teléfono: (+598) 2359 5478
Fax: (+598) 2354 2052
Correo-e:agrocien@fagro.edu.uy
http://www.fagro.edu.uy/agrociencia/