Comentarios de lectores/as

Intolerância à Lactose E Alergia Ao Leite: Existe Diferença?

Pedro Benício Martins (2018-08-03)


O termo "alergia ao leite" se popularizou e, atualmente, é bastante utilizado para reproduzir possíveis causas de intolerância, provenientes de reações alérgicas ou não. "A alergia ao leite é outra coisa", ensina Tatiane. "Neste caso, o problema está relativo a uma proteína do leite chamada caseína. Por qualquer porquê, o corpo humano reconhece a caseína como um corpo incomum que irá causar estragos e reage contra ela, causando erupções pela pele, manchas vermelhas, dificuldades respiratórios e, às vezes, diarreia". E também que depois de meia hora, a enzima é absorvida pelo organismo, portanto é essencial tomar mais um se prosseguir ingerindo a lactose. Nesse lugar no Brasil, existem opções como o Lacday e o Lactosil. Eu acabo preferindo o Lactaid pois que acho mais prático, entretanto claro que no momento em que acabam os meus comprimidos, recorro as opções nacionais! Tem muita gente que não entende disso, porém queijos e leite de ovelha e cabra não contém lactose. Por isso eu a toda a hora dou preferência ao queijo de cabra, ou o chèvre, queijo pecorino, e também o feta. O Iogurte de ovelha é mais pesado, no entanto dá pra acostumar. Os produtos "sem lactose" do mercado, normalmente são nada mais do que produtos derivados do leite, que também possui na sua constituição a enzima lactase. Ou melhor, é como se você estivesse tomando um desses medicamentos que falei acima.

suplementos alimentaresEsta intolerância desaparece quando a doença é tratada. Como se diagnostica a Intolerância à Lactose ? Diversas vezes é o doente que nota que a todo o momento que bebe leite em superior quantidade, sente angústia abdominal, ouve ruídos intestinais - borborigmos -, tem distensão abdominal e diarréia. No entanto o diagnóstico, com freqüência passa desapercebido em razão de não se nota que há uma conexão com a ingestão de leite e derivados do leite ou visto que os sintomas são extremamente ligeiros. O sistema digestório dos animais é a sede principal das alterações dos alimentos. Pode ser completo (tubo digestivo dotado de duas aberturas: boca e ânus) e incompleto (tubo digestivo com uma única abertura – achado nos cnidários e platelmintos). Em alguns grupos de animais o sistema digestório não termina no ânus, porém em uma cavidade denominada cloaca. Os produtos da digestão são absorvidos por pequeninas artérias neste instante perante o epitélio nos villi. O que ocorre com o que não é absorvido ? Os alimentos funcionais levam cerca de quatro horas pra atravessar o intestino delgado (quase sete metros). Ao regressar ao intestino grosso (1,2 metros), bactérias presentes ainda segregam novas enzimas que permitem que muitas substâncias resultantes da digestão ainda sejam absorvidas.

Aldolase é a enzima responsável pela Condensação Aldólica . Ela consegue, em uma reação reversa, adicionar 2 compostos carbonílicos, sendo um aldeído e o outro cetona. E esta combinação maneira um aldol, quer dizer, um composto b-hidroxi-carbonilado. E vice-versa. O aldol também pode sofrer condensação aldólica formando uma cetose e uma aldose. Mutase normalmente é uma enzima que age no deslocamento de um grupamento intramolecular. A prolongada ingestão de frutose em lactentes leva a falência hepática e/ou renal ou morte. Alguém que retém esta intolerância não podes comer definitivamente nada com açúcar, visto que geralmente vomita depois. O organismo não aceita nenhum desses alimentos e, dessa forma, é possível saber que existe qualquer coisa de incorreto.

Recém lançada pelo Laboratório Apsen, a enzima digestiva LACTASE, já está disponível no Brasil àqueles pacientes portadores de Intolerância à Lactose. A Intolerância à Lactose caracteriza-se na incapacidade ( parcial ou total ) do cidadão em digerir a lactose ( açúcar do leite ) por causa deficiência ou carência da enzima intestinal chamada lactase. Esta afecção gera transtornos gastrointestinais e sistêmicos que limitam e eliminam de sobremaneira a característica de existência destes pacientes. Uma vez diagnosticada e quantificada, o tratamento desta deficiência enzimática sempre implica em uma redução ou restrição do consumo de leite e derivados a final de se eliminar os sintomas. Para quem não quer abrir mão dos alimentos lácteos, a opção consiste em consumir alimentos com nanico teor ou zero de lactose (leites, queijos, iogurtes) ou fazer exercício de suplementação enzimática.

Mais ainda, há provas de que o pâncreas humano é um dos mais pesados no reino animal, tendo em conta o peso corporal. Este aumento de volume do pâncreas humano é tão prejudicial - eventualmente ainda mais - do que o acrescentamento de volume do coração, da tiróide etc.. A elaboração exagerada de enzimas é uma adaptação patológica a uma dieta de comida sem enzimas. O pâncreas não é a única parcela que produz exageradamente enzimas no momento em que a alimentação é cozida. Por adição, existem as glândulas salivares, que produzem enzimas num grau nunca visto nos animais selvagens com a tua alimentação natural. Concretamente, alguns animais numa dieta crua não tem cada tipo de enzimas na sua saliva. No RJ tem um laboratório que faz diagnóstico para IgG e IgE para noventa e 200 alimentos. Alergia a pimenta não é comum como a outros alimentos (leite, trigo, açúcar, oleaginosas, etc.), porém poderá suceder sim. Prontamente vi pacientes com alergia a alho e cebola, por exemplo, e até mamão e chuchu… As alergias alimentares por IgG (que são 80 por cento dos casos) podem conceder sintomas até quatro dias depois de ter sido consumido o alimento. Dr. Paulo, Estou há em torno de 1 mês com urticárias e apesar da medicação e controle alimentar nada decide. Fiz o teste IgE e nenhum consequência afirmativo pra ovo, cacau e leite de vaca. Sinto além das urticárias o meus estômago e gazrganta como se estivesse borbulhando.



.......................................................................................................................................................................................................

Contacto

Teléfono: (+598) 2359 5478
Fax: (+598) 2354 2052
Correo-e:agrocien@fagro.edu.uy
http://www.fagro.edu.uy/agrociencia/