Comentarios de lectores/as

Conheça Os Principais Vilões Da Alergia Alimentar

"Miguel Melo" (2018-08-02)


Esta intolerância desaparece quando a doença é tratada. Como se diagnostica a Intolerância à Lactose ? Várias vezes é o doente que nota que a todo o momento que bebe leite em superior quantidade, sente agonia abdominal, ouve ruídos intestinais - borborigmos -, tem distensão abdominal e diarréia. Todavia o diagnóstico, com freqüência passa desapercebido porque não se nota que há uma relação com a ingestão de leite e derivados do leite ou já que os sintomas são muito ligeiros. O sistema digestório dos animais é a sede principal das transformações dos alimentos funcionais. Poderá ser completo (tubo digestivo dotado de duas aberturas: boca e ânus) e incompleto (tubo digestivo com uma única abertura – localizado nos cnidários e platelmintos). Em alguns grupos de animais o sistema digestório não termina no ânus, porém em uma cavidade denominada cloaca. Os produtos da digestão são absorvidos por pequeninas artérias prontamente sob o epitélio nos villi. O que acontece com o que não é absorvido ? Os alimentos levam cerca de quatro horas pra transpor o intestino delgado (quase 7 metros). Ao comparecer ao intestino grosso (um,2 metros), bactérias presentes ainda segregam algumas enzimas que permitem que várias substâncias resultantes da digestão ainda sejam absorvidas.

alimentos funcionaisPara esta finalidade, são realizadas opiniões clínicas e laboratoriais completas, que inserem testes alérgicos, consultas ambulatoriais e exames de sangue específicos pra pesquisa de alergias. Depois, conhecendo-se as causas, o próximo passo é afastá-las o mais completamente possível. "No caso de substâncias inalantes fica mais complicado, visto que as pessoas transitam por outros locais além da tua casa, como universidade, ônibus, locais de trabalho etc", anuncia a Neusa. O tratamento medicamentoso vem a seguir, e depende do tipo da alergia. Anti-histamínicos, higiene nasal e corticosteroides temas são indicados para a rinite. Em crianças, são necessários alguns cuidados, como higiene nasal mais contínuo, superior ingestão de líquidos, medicamentos apropriados para a faixa etária, atenção às infecções secundárias ao modo alérgico e cautela com as vacinas disponíveis. "As vacinas de alergia são eficazes no momento em que bem indicadas e pela impossibilidade de se afastar os alérgenos da vida do paciente. São indicadas para o tratamento de asma, rinite, conjuntivite alérgica e alergias a insetos picadores, como abelhas, vespas e formigas", explica Neusa Falbo.

Outro "erro" comum e que agora vi que ocorre com todo intolerante newbie é correr pra soja. De imediato falei dela também neste local nessa postagem, e gente, só parem com isto. Ela é altamente alergênica e o consumo em excesso pode causar sensibilidade. Ademais, a soja libera hormônios femininos, o que não é sensacional pros meninos. As melhores maneiras de consumo dela são: missô, tofu, tempeh e o shoyo, pela versão macrobiótica. Espero que sim. Eu fiz bastante coisa errada logo que descobri a intolerância e sofri as decorrências. Optar pelo caminho mais curto/simples, nem sempre é o melhor. Reflexionar em saúde, a todo o momento em primeiro território! No domingo ainda estava um pouco inchada. Na segunda-feira, um tanto indisposta. E na terça-feira, enfim bem. O resultado dessa experiência: lactase é mesmo muito bom. Todavia o impecável é ser usada em determinados momentos, como almoços e jantares fora de casa. É para matar aquela vontade de consumir uma questão que a gente fica muito tempo sem comer. Todavia é mais complicado de administrar no momento em que você passa o dia todo fora comendo lactose.

Dois - Deficiência Congênita da Lactase: É o exemplar mais diferente de Hipolactasia, onde a atividade da lactase é bastante baixa ou ausente desde o nascimento. Normalmente é transmitida entre gerações. Três - Deficiência Secundária de Lactase: Esse tipo de deficiência é adquirida durante a existência do sujeito e é uma situação temporária. Cada vez mais pessoas localizam que sofrem com a intolerância à lactose, está que é a incapacidade do corpo digeri-la. No corpo que é livre desse dificuldade, a lactose é digerida por uma enzima chamada de lactase, que transforma em energia. No entanto, quando o corpo humano produz menos enzimas, o corpo não é qualificado de digerir todos os açúcares dos produtos lácteos. No duodeno, com auxílio do suco intestinal, proteínas transformam-se em aminoácidos, e a maltose e alguns outros dissacarídeos são digeridos em consequência a enzimas como a enteroquinase, peptidase e carboidrase. No duodeno há, assim como, o suco pancreático, que é lançado do pâncreas pelo canal de Wirsung. A digestão encerra-se na segunda e terceira porção do intestino delgado pela ação do suco intestinal ou suco entérico.

Seja uma intolerância passageira, definitiva ou uma alergia, o fato é que quem tem estes problemas deverá, invariavelmente, modificar seu cardápio. Não existe cura nem ao menos medicamento pra doença celíaca e a única forma de conviver com ela é riscando em definitivo do cardápio alimentos que contenham glúten. No caso da intolerância à lactose, a retirada ou redução do leite e derivados do cardápio vai necessitar de cada caso. No Brasil, a lactase é encontrada apenas nas farmácias de manipulação, dado que, segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a enzima lactase é um remédio de origem biológica. Em outros países, todavia, a enzima é considerada alimento e tem venda liberada em farmácias e supermercados. De acordo com a agência reguladora, ainda não há, no país, interesse das organizações em criar o item para vendas nas farmácias. Outra possibilidade pra não atravessar mal ao ingerir derivados de leite são os probióticos, "as bactérias do bem", que quando tomadas continuamente são capazes de aprimorar a digestão da lactose. Esses recursos são especialmente sérias pra mulheres que de imediato passaram pelo tempo da menopausa e precisam comer derivados do leite pra absorverem cálcio.



.......................................................................................................................................................................................................

Contacto

Teléfono: (+598) 2359 5478
Fax: (+598) 2354 2052
Correo-e:agrocien@fagro.edu.uy
http://www.fagro.edu.uy/agrociencia/