Comentarios de lectores/as

Intolerância à Lactose Ou Alergia à Proteína Do Leite?

Alícia Fernandes (2018-08-02)


Basta bater ou adicionar, e pronto! Para ser absorvida pelo intestino, a lactose necessita ser quebrada em porções menores pela ação de uma enzima chamada lactase. Tal enzima fica na superfície da mucosa intestinal. No momento em que há deficiência da lactase, mesmo que parcial, as quantidades de lactose ingeridas por meio do leite não são hidrolisadas e permanecem intactas no intestino delgado, atraindo água pra região e provocando dores e edemas. A lactose não absorvida passa, deste modo, pro intestino grosso. Ali é metabolizada pelas bactérias (fermentação), atraindo ainda mais água. O consequência são mais dores, edemas, flatulência e diarréia, além de a digestão e a absorção de outros nu- trientes ficarem comprometidas. O tratamento pra a dificuldade consiste em limitar a ingestão de lactose ao limite de tolerância do paciente. Quem poderá consumir o iogurte feito com kefir de leite? Só as pessoas que são intolerantes a lactose. Alérgicos nunca precisam ingerir nada que venha do leite, incluindo o kefir de leite. Aos alérgicos, o kefir indicado é o kefir de água ou tibico. Ao fermentar no leite, o kefir de leite consome a lactose e libera por este iogurte a lactase. Isso é proveitoso aos intolerantes, dado que essa lactase contida no iogurte de kefir irá amparar teu organismo a digerir cada resquício de lactose restante no iogurte.

suplementos alimentaresAs glândulas submandibulares e sublinguais segregam uma saliva mais grossa que contém a enzima mucina. A outra enzima lactase comprimido da saliva é a ptialina, que digere parcialmente os amidos e converte-os em maltose (um tipo de açúcar). A água umedece o alimento, o muco lubrifica-o e a amilase catalisa a hidrólise do amido (polissacarídeo) que o transforma em moléculas de açúcares mais fácil (oligossacarídeos e monossacarídeos).

Seqüenciando DNA coletado de inmensuráveis grupos étnicos africanos, a equipe da cientista encontrou uma mutação genética diferenciado da européia, e que precisa ter surgido de forma independente. Investigando os genes, Tishkoff e colaboradores determinaram que a mutação para a digestão da lactose começou a mostrar-se nos europeus do norte na mesma época em que estes povos passaram a formar gado leiteiro, há 9.000 anos. A mutação africana, distinta, ficou comum de sete.000 a 3.000 anos atrás. Evidência arqueológica liga esse período à disseminação da criação de gado na região. Intolerância à lactose é a incapacidade de digerir a lactose (açúcar do leite). O problema é consequência da deficiência ou carência de uma enzima intestinal chamada lactase. Esta enzima possibilita decompor o açúcar do leite em carboidratos mais acessível, para a sua melhor absorção. Esse dificuldade ocorre em cerca de 25% dos brasileiros. Deficiência primária: acontece diminuição da realização da lactase como conseqüência do envelhecimento. Este episódio é mais evidente em novas raças como a negra (até 80% dos adultos têm deficiência) e menos comum em novas, como a branca (20% dos adultos).

Prefiro fazer desse jeito já que mesmo que exista a enzima lactase que desejamos tomar, dizem que o corpo humano vai acostumando com ela, desse jeito é bom não exagerar. Como sou extremamente intolerante, ocasionalmente nem sequer a enzima funciona. Desta forma é super considerável vocês falarem com um médico para requisitar as orientações corretas, tá? Molhos e coberturas: molhos para salada, molhos de queijo, manteiga e patês também podem conter lactose. Normalmente, a manteiga retém uma quantidade pequeno de lactose e podes ser uma escolha, desde que consumida com moderação. Legumes: Matérias-primas vegetais não contêm lactose se não forem preparadas com produtos lácteos. Porém atenção: gratinados, pratos de legumes fatiados, vegetais com creme, pratos de vegetais cozidos conseguem conter ou utilizar lactose nos ingredientes. Os tubérculos e raízes, em geral, devem ser evitados, principalmente por aqueles que necessitam perder gordura. Para aqueles que já estão com o peso adequado, pode ser liberado o consumo ocasional, no entanto não devem fazer cota do cardápio diário. Exemplos: batata, batata-adocicado, mandioca, cará/inhame, mandioquinha/batata-baroa/cenourinha-amarela. Já ressaltei acima, todavia vale repetir. O consumo de leite e queijos brancos deve ser restringido por aqueles que devem perder calorias, visto que contêm açúcar na forma de lactose, mesmo os desnatados e aqueles denominados "sem lactose". Precisa-se cortar refrigerantes, sucos de caixinha, bebidas energéticas e isotônicos. São recheados de açúcar e de aditivos químicos. Nem ao menos mesmo os refrigerantes light, zero ou sem açúcar necessitam ser consumidos.

um Choco Soy Break Avelã 38g É a ação que o suco gástrico (produzido por várias células do estômago) exerce sobre os alimentos. O suco gástrico detém enzimas e ácido clorídrico. O ácido clorídrico amolece o bolo alimentar, destrói bactérias e facilita a ação das enzimas. As enzimas do estômago são três: Quimosina, Lipase gástrica e Pepsina. Isto irá pressionar as artérias e a pressão será elevada. Com o tempo, quem vai perceber os efeitos é o coração. O brasileiro, como sobressaem pesquisas, geralmente consumem muito mais sódio do que o indicado. A recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) são 2 gramas deste ingrediente por dia. A média de consumo é o dobro. Desta forma uma dieta equilibrada se faz necessária. Os pacientes com a bactéria são, dessa forma, isolados pra impedir que infectem os demais. A superbactéria contém um gene enzimático denominado metalo-lactase um de Nova Délhi (NDM-um) que a torna irreal de cuidar com quase todos os antibióticos, inclusive medicamentos populares como carbapenemas, frequentemente usados como último método. O alerta foi emitido na semana passada na revista britânica The Lancet Infectious Diseases.



.......................................................................................................................................................................................................

Contacto

Teléfono: (+598) 2359 5478
Fax: (+598) 2354 2052
Correo-e:agrocien@fagro.edu.uy
http://www.fagro.edu.uy/agrociencia/