Comentarios de lectores/as

Intolerância à Lactose Ou Alergia à Proteína Do Leite?

Pedro Benício Martins (2018-07-30)


5 anos atrás, foi identificada uma mutação genética que regula a frase de lactase, causador da bacana digestão de leite em adultos finlandeses e outros europeus do norte. Curiosamente, a mesma mutação aparecia em freqüência bem menor em povos com dietas ricas em laticínios, como os do Oriente Médio e do sul da Europa, e estava ausente na maioria das populações africanas que se dedicam ao pastoreio. Nos dias de hoje, um grupo liderado por Sarah Tishkoff, da Escola de Maryland, colheu demonstrações de sangue de 470 habitantes da Tanzânia, Quênia e Sudão, pertencentes a 43 grupos étnicos distintos, para preparar-se os genes responsáveis na expressão de lactase.

suplementos alimentaresDesequilíbrio sendo assim é que podes neutralizar a eficiência da capacidade promissora. A propósito: comparações com os juizados nos estádios de futebol não se justificam, tão diferentes são as condições em geral. Não me ponho neste local só como vítima de leite gaúcho criminosamente adulterado, quando deveria ser somente leite integral com miúdo teor de lactose. Vários carentes da enzima lactase (pela França, são estimados em metade da população, no entanto aqui não há estimativa) por correto sofreram danos variados, sem sequer fantasiar a razão no leite a que foi adicionado formol, pra aumentar a quantidade.

Todavia não recomendo o exercício por isso em razão de meu grau de intolerância não é exigente. Eu só fico mal se exagerar mesmo ou se consumir bastante coisa com leite à noite. Lembrando que a corporação não recomenda o exercício do objeto portanto por conta de uma determinação da ANVISA, por isso quem o fizer o estará fazendo por conta e assumindo os riscos. 80°C) espere esfriar ou ficar em uma temperatura que dê pra consumir com segurança. E você faz todo esse ritual? Eu coloco 1 sachê adulto ou dois infantis pela comida que irei comer, espero uns 10 minutinhos ou mais e não tenho problemas. O fraco é que acaba gastando muita enzima, todavia comigo tem funcionado. No caso de sorvetes ou doces, costumo utilizar um sachê infantil e tem dado direito.

O nosso organismo não consegue absorver moléculas grandes de açúcar, assim sendo, nosso sistema digestivo detém enzimas especiais, que quebram açucares complexos em açucares descomplicado (monossacarídeos), permitindo sua absorção nos intestinos. A lactase é uma dessas enzimas, sendo produzida no intestino delgado. Tua ação consiste particularmente em quebrar a lactose em glicose e galactose, permitindo que os intestinos consigam sugar os açúcares presentes no leite. Pesquisadores identificaram uma possível ligação genética para deficiência primária de lactase. Outras pessoas herdam um gene de seus pais que as tornam passíveis de desenvolverem deficiência primária de lactase. Esta descoberta podes ser proveitoso no desenvolvimento de futuros testes genéticos para discernir pessoas em risco para intolerância à lactose. A deficiência secundária de lactase resulta da brutalidade ao intestine delgado com doenças diarreicas graves, doença celíaca, doença de Crohn ou quimioterapia.

Seqüenciando DNA coletado de vários grupos étnicos africanos, a equipe da cientista encontrou uma mutação genética distinto da européia, e que necessita ter surgido de forma independente. Investigando os genes, Tishkoff e colaboradores determinaram que a mutação para a digestão da lactose começou a aparecer nos europeus do norte na mesma época em que estes povos passaram a montar gado leiteiro, há nove.000 anos. A mutação africana, distinta, tornou-se comum de 7.000 a três.000 anos atrás. Evidência arqueológica liga este período à disseminação da formação de gado pela região. Intolerância à lactose é a incapacidade de digerir a lactose (açúcar do leite). O problema é consequência da deficiência ou carência de uma enzima intestinal chamada lactase. Esta enzima possibilita decompor o açúcar do leite em carboidratos mais claro, para a sua melhor absorção. Este problema acontece em cerca de 25 por cento dos brasileiros. Deficiência primária: ocorre diminuição da criação da lactase como conseqüência do envelhecimento. Esse caso é mais evidente em algumas raças como a negra (até 80% dos adultos têm deficiência) e menos comum em outras, como a branca (20 por cento dos adultos).

Como repercussão, o corpo humano tem ausência de enzimas para manter os tecidos em boas condições. A maior parte das pessoas que jejuam passam pelo que é chamado de uma decadência curativa. Os pacientes podem constatar náuseas, vômitos e tonturas. O que se passa é que as enzimas estão a trabalhar pra modificar a suporte doente do corpo. Porém após liberação médica é possível tentar a reintrodução de alguns derivados do leite, como queijos e iogurtes, de forma gradativa para perceber a tolerância do paciente. Kátia. Conforme a nutricionista, não é possível definir uma dosagem exata de ingestão diária, em razão de não se pode mensurar a quantidade de lactase em capsulas (enzima que digere a lactose) que o indivíduo produz. A especialista alerta que ao inverso do que muitas pessoas pensam, produtos sem lactose não têm menos cálcio. Se o intolerante a lactose optar por não consumir lácteos sem lactose, uma dica é substituir lácteos por leites vegetais. Para finalizar, a nutricionista orienta que impossibilitar é a melhor saída.

Respuestas

Lista Completa Dos Alimentos Na Dieta Low Carb

Alícia Fernandes (2018-08-04)

Sem Lactose: Você podes ingerir ou ingerir essas gorduras sem lactose sempre que quiser. Não coma ou beba as seguintes gorduras visto que eles contêm lactose. Sem Lactose: Você podes comer ou... Leer más

O Portal Do Estudante

Alícia Fernandes (2018-08-24)

Todo domingo era fininha pela certa. Xingava o restaurante até a décima criação. Até em vista disso não sabia que isto era intolerância a lactose. Resolvi encaminhar-se a um gastro, achando... Leer más



.......................................................................................................................................................................................................

Contacto

Teléfono: (+598) 2359 5478
Fax: (+598) 2354 2052
Correo-e:agrocien@fagro.edu.uy
http://www.fagro.edu.uy/agrociencia/