Comentarios de lectores/as

Como Organizar Sua Coleção De Action Figures

João Enzo Caldeira (2018-06-11)


Peça quase onipresente nas casas brasileiras, a estante para miniaturas de carros pode ter funções que vão muito além de mero espaço para comportar livros ou suvenires. Com um pouco de criatividade e algum investimento, é possível transformar móvel em um dos destaques da decoração de salas, escritórios e outros espaços.

estantesA ampliação do número de caixas-estantes do Viagem pela Literatura objetiva a democratização do acesso ao livro e à leitura em Vitória. Essa descentralização é importante para oportunizar que pessoas, que não conheciam ou não tinham hábito de pegar um livro emprestado na Biblioteca, saibam que isso é possível", destaca secretário municipal de Cultura, Alcione Pinheiro.

Durante esse ano alfabetizei oitenta crianças, trabalhei com leitura e produção de textos com cinqüenta jovens. Consegui escrever uma cartilha Bilíngüe com os alunos e trouxe material suficiente para escrever um livro e produzir um cordel sobre essa experiência.

No entanto esse texto faz referência aos vários momentos de aprendizagem , praticas educativas e reflexivas sobre ensino e aquisição do conhecimento teórico ? metodológico - filosófico. Essa discussão torna-se mais aprofundada quando se refere ao profissional da educação que através da escrita do memorial formativo, toma parte na produção contextualizada da sua história de vida e aprendizagem e da história do outro enquanto aprendiz.

problema deste caso e que jogos raros podem ser muitas vezes jogos bons ou ruins e acreditem normalmente a quantidade de jogos ruins prevalece, coisas nojentas tipo Cheetahmen, ou seja um colecionador caçador de tesouros deve ter em mente que sua coleção e feita de raros sendo lixos industriais ou não.

Death Note ( original por favor) é uma das histórias mais geniais que eu já tive prazer de conhecer. É inteligente, bem escrita, complexa e eu sempre desconfiei que não daria certo como filme, tanto que ainda não me atrevi a ver a versão japonesa de 2006 , mas, por alguma razão que eu não vou saber explicar, decidi dar uma chance para filme da Netflix. Eu me dei um tempo, não fui correndo ver assim que lançou e esperei estar pronta para ver filme longe de preconceitos, expectativas e de amor pelo original. Já aviso que não adiantou muita coisa. Escrevo bastante abaixo mas não vou nem mencionar whitewashing que é só mais um no mar de problemas que foi essa adaptação.

Recebi hoje minha estante, exclusiva para minha coleção de Blu-ray's e jogos de PS3. Por vezes, tentamos colocar juízo na cabeça de amigos, mas sabemos que incorreríamos no mesmo pecado. leitor-colecionador não tem limites. Em busca da padronização de sua estante, ele vaga por sebos, procura raridades e, principalmente, comete loucuras financeiras no geral impensáveis em outras áreas de sua vida.

Como estava proibido de emprestar, Telmo nos convidava para ler gibis aos sábados à tarde. Aquelas sessões de leituras eram uma viagem fascinante a um mundo de fantasias. Com as janelas azuis abertas para jardim florido, escolhíamos os gibis ainda não lidos (eram centenas) e nos espalhávamos pelo chão, para acompanhar as aventuras de Flash Gordon, Buck Rogers, Jim das Selvas, Mandrake, Tocha Humana e Namor, Principe Submarino.

A coleção de quadrinhos é uma de minhas imensas felicidades, mas, como quase tudo de bom na vida, dá um trabalho danado. que causa boa parte deste trabalho é a variação do formato de publicações no nosso mercado: tenho formatinhos, formato americano, aquele adotado pela HQM pra publicar TWD, álbum, formato que a Pixel apostou um tempo atrás, formato que a Devir adota… Por isso, compro plásticos grandes e os adapto" ao tamanho da hq com fita adesiva. Também as guardo em armários de aço, tipo aqueles que a gente encontra em repartições públicas. Duram um bom tempo, são mais leves e fáceis de limpar. E bem mais em conta que armários de madeira. E compro aquelas pedras anti-mofo e traças.

Todos os colecionadores tem uma grande estima por seus itens de coleção e especialmente aqueles raros e exclusivos. A CCXP é um momento único para que trabalho de muito tempo - para alguns, até anos - possa ser valorizado pelas pessoas que cultuam próprio meio. A realidade do quadrinista independente no Brasil ainda é muito complicada. A maioria das pessoas tem um outro trabalho de onde tiram sustento", diz Marcio Goti - que vem à feira lançar HQs e sketchbooks -, que num tom otimista completa, (mas) mercado vem numa ascendente, futuramente a gente pode viver numa realidade como a da França, em que os autores vivem de quadrinhos autorais".

Estante em acrilico sob medida para miniaturas articuladas da Pat Pinheiro. Geralmente não costumo comprar discos da mesma banda ou artista no mesmo mês para poder variar sempre, mas como os discos do Bob Dylan são quase raros por aqui já puxei dois para a minha sacola e mesmo pode-se dizer do Traffic e também puxei dois e mais um do Van Morrison e outro do Rush, e para fechar a conta escolhi um dos Beatles. Livros dessa vez não rolou comprar porque compro logo de cara e como eles demoram a ser devorados deixo sempre para outro mês. Essa segunda etapa das compras fiz no sábado de manhã, primeiro fui até a FNAC que fica num shopping tradicional daqui de Ribeirão Preto, e depois no fim da manhã, a parte derradeira fiz no mais novo shopping que foi inaugurado no final do ano passado e no caso a loja é Cultura.



.......................................................................................................................................................................................................

Contacto

Teléfono: (+598) 2359 5478
Fax: (+598) 2354 2052
Correo-e:agrocien@fagro.edu.uy
http://www.fagro.edu.uy/agrociencia/