Comentarios de lectores/as

Você Sofre De Intolerância Ou Alergia Alimentar?

Samuel Nascimento (2018-06-04)


lactaseAs substâncias que normalmente estão mais relacionadas às alergias tardias são as proteínas do leite de vaca, da soja e do trigo. Além se serem de trabalhoso digestão, elas são consumidas em exagero, uma vez que realizam cota da constituição de mais de noventa por cento dos alimentos ultraprocessados e altamente consumidos por aqui. Enquanto isto, outras que nos protegeriam de seus efeitos estão sendo deixadas de lado, como as vitaminas, os minerais, as fibras e os compostos bioativos presentes em frutas, verduras e legumes. Você neste instante fez alguma dieta? Se a resposta foi "não", com certeza conhece alguém prontamente tenha feito. Poderá ser pra entrar em maneira e suprimir alguns quilinhos , atingir um melhor efeito na academia e ganhar mais músculos ou pra procurar mais saúde, com uma alimentação mais saudável e regrada. A dieta está a todo o momento por ali, presente em nossas vidas.

Produtos lácteos sem lactose ou com nanico teor de lactose estão acessíveis nos supermercados, são similares aos de leite normal, porém foi adicionada a enzima lactase. O leite sem lactose permanece fresco por o mesmo tempo ou pouco mais se é ultra pasteurizado. O leite sem lactose podes ter um adoro pouco mais adocicado do que o normal. Ele não é recomendado a pessoas que tenham hipersensibilidade a vitamina B1, vitamina B6, vitamina B12, amidoglicolato de sódio, dióxido de silício, sacarose, talco, lactose, entre outros. Pacientes que sofram de mal de Parkinson e que façam emprego de remédios que contenham levodopa. Crianças assim como não devem tomar. Pacientes que são acomeditos da doença ocular "Atrofia Óptica Hereditária de Leber" não conseguem também tomar. Pacientes com intolerância a frutose ou galactose, ou deficiência de lactase de Lapp além de outros mais. Pela maioria das pessoas, a atividade da enzima lactase elimina após o desmame, o que as torna menos tolerante à lactose com o ir dos anos. A prevalência e a idade de manifestação da intolerância à lactose variam, consideravelmente, conforme o grupo étnico. Vale relembrar que a intolerância é diferente da alergia. Por este último caso, as reações do corpo podem ser mais graves e o limite de ingestão não tem como ser acordado.

Sorvete à base de leite costuma criar sintomas mais fortes. E há pessoas mais sensíveis, que já sentem-se mal só com um pouquinho de leite ou derivados. Se teu filho mostra sinais de incômodo a todo o momento após mamar, converse com o pediatra e levante a teoria da intolerância. Há um jeito de diagnosticar com certeza a intolerância à lactose?

Por que isso ocorre? A lactose é um açúcar localizado no leite, produzido nas glândulas mamárias dos mamíferos. A pessoa intolerante à lactose não produz (ou produz pouco) a lactase, uma enzima digestiva que quebra a lactose. Desta maneira, a lactose chega inteira ao intestino grosso e sofre fermentação por bactérias, o que gera gases e ácido lático, que, por sua vez, estimularão a retenção de água causando cólicas intestinais e diarreias. O intestino grosso em ceco, cólon ascendente, cólon transverso, cólon descendente e reto. Alguns órgãos são anexos ao sistema digestório. São eles: glândulas salivares, pâncreas, fígado e vesícula biliar. A digestão envolve fenômenos físicos e químicos. Os físicos são: mastigação, deglutição, peristaltismo e ação da bile. Os químicos são aqueles que envolvem ação enzimática.

Os estudos com aditivos alimentares no decorrer da amamentação ainda são escassos. Entretanto entende-se que corante artificial tartrazina (FD&C), sulfitos e glutamato monossódico são causadores de reações alérgicas. A tartrazina podes ser encontrada em produtos industrializados como sucos, gelatinas e balas durante o tempo que o glutamato monossódico podes estar presente nos produtos salgados como temperos industrializados. Neste instante os sulfitos são usados como preservativos em alimentos como frutas desidratadas, vinhos e sucos industrializados. As enzimas da saliva, suco gástrico e pancreático reduzem e são raras. Ao longo do jejum, as enzimas do organismo estão livres pro serviço de reparação e remoção de tecidos doentes. "Disse. Nos países considerados civilizados comem-se tamanhas quantidades de comida cozida que o sistema enzimático fica ocupado apenas a digerir comida. Soma-se a isto a confusão que existe entre as alergias e as intolerâncias alimentares. As alergias imediatas são mais fáceis de serem descobertas por causa de aparecem nos exames laboratoriais. Além disso, os sintomas são intensos e surgem logo depois do contato com o alimento que as provocou, porém, são a minoria dos casos de alergia.

A intolerância à lactose veta a digestão de alimentos que contenham o açúcar localizado no leite e seus derivados, em alimentos como pão, cereal, carne para sanduíches, molhos para salada, bolos, biscoitos e panquecas. Ao ingeri-los, a pessoa perante essa situação podes exibir angústia abdominal, gases, diarreia e até uma inflamação no estômago. Ex.: diástase, litíase, lordose. O sufixo -ase é empregado "especialmente na acepção de fermento solúvel (diástase), de onde se tomou diretamente". A expressão diástasis, em grego, significa separação, e foi utilizada por Kirchhoff, em 1814, para nomear a substância encontrada no extrato de cevada, responsável pelo desdobramento do amido em dextrina e glicose. O mesmo termo estendeu-se a todo catalisador biológico de meio ambiente protéica. Desigual da intolerância à lactose, a alergia à proteína do leite é mais difícil de ser diagnosticada, podendo apresentar-se os sintomas após três dias do consumo, o que leva uma complexidade de associação do alimento. Os 2 geram um quadro inflamatório e inflamação está associada com a obesidade. Além de poderem transportar a um quadro de disbiose. Como são os produtos sem lactose? Nos produtos alimentícios sem lactose, a proteína do leite não deixe de existir.



.......................................................................................................................................................................................................

Contacto

Teléfono: (+598) 2359 5478
Fax: (+598) 2354 2052
Correo-e:agrocien@fagro.edu.uy
http://www.fagro.edu.uy/agrociencia/