Comentarios de lectores/as

=> Cozinha Saudável - O Que é KEFIR

Samuel Nascimento (2018-06-02)


lactaseBromelina e papaína: Elas são enzimas proteolíticas. Assumem a função de decompor as proteínas em peptonas menores por meio de hidrólise. Essas enzimas estão muito presentes em suplementos voltados destinado a pessoas que consomem diversos alimentos protéicos para ganho de massa muscular. Eles contribuem pra maior competência pela digestão das proteínas. Esse controle é feito por hormônios. I. A adenoipófise produz e secreta a ocitocina, hormônio que estimula a eliminação do leite. II. A neuroipófise produz e secreta o FSH, hormônio que estimula a contração da glândula mamária. III. A adenoipófise produz e secreta a prolactina, hormônio que estimula a realização do leite.

Você domina a diferença entre a alergia à proteína leite e a intolerância à lactose? A intolerância à lactose é a incapacidade do corpo digerir essa substância conhecida como o "açúcar do leite", com isso ocorre uma reação exacerbada do corpo no momento em que entra em contato com a lactose. Essa incapacidade de digerir a lactose se necessita a inexistência total ou parcial de uma enzima especializada nesta ação, a lactase, encontrada na parede do intestino delgado. O Doutor Howell efetuou experiências em ratos em que um grupo comia carne crua e vegetais e sementes crus e o outro grupo comia o mesmo porém cozido. Conclusão, ambos os grupos viviam aproximadamente o mesmo tempo o que surpreendeu o médico. Os ratos de ambos os grupos viveram por volta de três anos.

Assim, ao aparecer no intestino grosso a lactose não está digerida acertadamente, e aí, ao ser fermentada por bactérias acontece efeitos desagradáveis como retenção de líquidos, cólicas abdominais e diarreias. É comum confundir intolerância à lactose com alergia ao leite, no entanto estes 2 dificuldades têm distinções e assim merecem tratamentos diferentes. Existe quem o ame e não o rejeite em ocasião nenhuma. Contudo tem quem o odeie. O leite, considerado o alimento genial por vários, não é suportado por considerável fração da população. Para quem sofre de intolerância à lactose, beber leite ou consumir seus derivados cria gases, estufa o abdome e fornece cãibras. Essa rejeição ocorre em pessoas que não produzem a enzima lactase em quantidade suficiente pra digerir a lactose que consomem.

Após essa perícia inicial, o especialista poderá indicar três exames que são capazes de ser determinantes pra descobrir se há ou não intolerância a lactose. Teste de intolerância à lactose: oferecido sem custo algum pelo SUS (Sistema Essencial de Saúde). O paciente deve fazer jejum pra ganhar uma considerável dose de lactose. Depois, ele colhe demonstrações de sangue para averiguar os níveis de glicose - em quem tem intolerância os níveis não mudam. A deficiência acontece bem como com o envelhecimento na atrofia da mucosa do intestino delgado. Texto continua depois da propaganda. Nesta intolerância se inclui em tal grau as pessoas com intolerância total, como as com intolerância parcial. Este último grupo consegue digerir grandes quantidades de lactose de uma só vez, contudo não tem dificuldades em administrá-la de modo fracionada, sendo que geralmente toleram bem alimentos com pequenos teores de lactose, por exemplo iogurtes e queijos. O leite de vaca não retém só estilos negativos, porque o mesmo mostra bons teores protéicos e de alguns micronutrientes, por exemplo o cálcio, o fósforo e as vitaminas B1 e B2. Contudo, desejamos deixe-me dizer, comprar tais nutrientes advindos de algumas fontes alimentares.

Gilmara miranda argumentou
Panquecas ou waffles com produtos do leite
Panquecas e bolos,
É solúvel em água, todavia menos que outros açúcares
sessenta Minutos após carboidrato: 95 mg/dL

A estrutura do leite de vaca é própria para bezerros, mas não exatamente adequada para os homens, porque o bezerro cresce por volta de dez vezes mais muito rapidamente que os humanos nos primeiros meses de vida. Além disso, os anticorpos gerados pelo corpo da vaca para a defesa imunológica do bezerro tornam-se antígenos pros seres humanos e são capazes de estimular distúrbios alérgicos de diversas proporções. Os níveis de caseína contidos no leite de vaca bem como são bem diferentes dos níveis contidos no leite humano, não sendo adequados pro nosso corpo humano. A caseína é um dos principais componentes alérgicos presentes no leite de vaca. Ela possui a domínio de ativar células mastóides, sendo que no momento em que esta ativação se apresenta nas células mastóides presentes no intestino, ocorre a liberação de histamina (resposta alérgica). Já a whey protein - conhecida como a proteína do soro do leite, constitui-se da porção aquosa do leite produzida ao longo do recurso de fabricação do queijo, no momento em que ocorre coagulação.

Isto agride a mucosa do intestino e aumenta a dificuldade em anexar a lactose", explica Camargos. Uma sensacional notícia para os intolerantes é que uma nova definição da Anvisa exige que os fabricantes citem no rótulo dos produtos o nível de lactose. Serão três ‘categorias’: zero lactose, miúdo teor e contém lactose. Desse jeito, ficará mais fácil adaptar a dieta segundo o nível de intolerância. "Quando não é quebrada, a lactose chega ao intestino grosso intacta. Ali, é fermentada por bactérias, e isso razão o mal-estar", diz o nutrólogo Fernando Chueire, da Agregação Brasileira de Nutrologia. Uma atuação comum é deixar de lado alimentos que caem mal sem consultar um médico - quantidade arriscada que pode prejudicar ainda mais a saúde. Em casos extremos, é preciso tomar remédio. Fisiopatologia - Quando o glúten derivado do trigo, centeio ou cevada entra em contato com a mucosa intestinal, ele reage formando gliadinas, que conseguem circunstância lesões. A razão mais comum de diarréia osmótica é a má-absorção de lactose por deficiência enzimática (lactase). A deficiência da lactase podes ser congênita ou secundária a infecção viral, giardíase, espru celíaco ou doença de Crohn. Farrell RJ, Kelly CP - Diagnosis of celiac sprue.



.......................................................................................................................................................................................................

Contacto

Teléfono: (+598) 2359 5478
Fax: (+598) 2354 2052
Correo-e:agrocien@fagro.edu.uy
http://www.fagro.edu.uy/agrociencia/